Economia Solidária

A Superintendência de Economia Criativa e Solidária da SED, criada em janeiro de 2018, tem como objetivo estimular a potência deste setor em Goiás, criando acessibilidade e visibilidade das Economias e reconhecendo-as como alternativas possíveis e parte importante da cultura e da sociedade que queremos construir; justamente porque a Economia Solidária tem se constituído como uma importante referência para muitos daqueles que buscam transformar e humanizar as relações sociais de produção na sociedade em que vivemos.

Para muitos ela é uma alternativa de geração de trabalho e renda, para outros a Economia Solidária se constitui enquanto uma ferramenta para a construção e afirmação de um novo paradigma de existência, no qual a justiça social, o respeito ao meio ambiente, à diversidade cultural, à igualdade de gênero sejam princípios de referência comum a todos.

Contudo organizar e estruturar um empreendimento a partir dos pressupostos da Economia Solidária carrega em si uma complexidade. Se nas empresas capitalistas o trabalhador se insere no processo de produção para desempenhar uma função restrita, num empreendimento de Economia solidária ele amplia a dimensão de sua responsabilidade. Na condição de associado, ele participa do processo de produção, mas contribui para a gestão administrativa e produtiva de todo o empreendimento. A gestão do empreendimento demanda conhecimento para a compra de insumos para produção, comercialização e administração financeira. Qualquer procedimento errado poderá comprometer a existência do próprio empreendimento.

Por isso, a equipe da Economia Solidária da Superintendência de Economia Criativa e Solidária tem como objetivo disseminar e compartilhar ações que:

  • Valorizem o capital humano local, gerando trabalho e renda para comunidades;
  • Identifiquem políticas públicas para a inserção de empreendimentos solidários;
  • Ofereçam capacitação na construção de trocas de conhecimento entre os empreendedores solidários;
  • Fortaleçam parcerias de desenvolvimento e aperfeiçoamento de práticas de produção e fidelização do mercado;
  • Promovam e divulguem a Economia Solidária do Estado.

O que é Economia Solidária?

É um jeito diferente de produzir, vender, comprar e trocar o que é preciso para viver. Enquanto na economia convencional existe a separação entre os donos do negócio e os empregados, na economia solidária os próprios trabalhadores também são donos. São eles que tomam as decisões de como tocar o negócio, dividir o trabalho e repartir os resultados.

Quem faz parte?

São milhares de iniciativas econômicas, no campo e na cidade, em que os trabalhadores estão organizados coletivamente: associações e grupos de produtores; cooperativas de agricultura familiar; cooperativas de coleta e reciclagem; empresas recuperadas assumidas pelos trabalhadores; redes de produção, comercialização e consumo; bancos comunitários; cooperativas de crédito; clubes de trocas; entre outras.

São princípios da Economia Solidária:

  1. Cooperação: ao invés de competir, todos devem trabalhar de forma colaborativa, buscando os interesses e objetivos em comum, a união dos esforços e capacidades, a propriedade coletiva e a partilha dos resultados;
  2. Autogestão: as decisões nos empreendimentos são tomadas de forma coletiva, privilegiando as contribuições do grupo ao invés de ficarem concentradas em um indivíduo. Todos devem ter voz e voto. Os apoios externos não devem substituir nem impedir o papel dos verdadeiros sujeitos da ação, aqueles que formam os empreendimentos;
  3. Ação Econômica: sem abrir mão dos outros princípios, a economia solidária é formada por iniciativas com motivação econômica, como a produção, a comercialização, a prestação de serviços, as trocas, o crédito e o consumo;
  4. Solidariedade: a preocupação com o outro está presente de várias formas na economia solidária, como na distribuição justa dos resultados alcançados, na preocupação com o bem-estar de todos os envolvidos, nas relações com a comunidade, na atuação em movimentos sociais e populares, na busca de um meio ambiente saudável e de um desenvolvimento sustentável.

Consideram-se Entidades de Apoio e Fomento à Economia Solidária (EAFs) as organizações públicas e privadas sem fins lucrativos que desenvolvem ações de apoio direto, como capacitação, assessoria, incubação, acesso a mercados, assistência técnica e organizativa, junto aos Empreendimentos Econômicos Solidários. São exemplos de EAFs as Organizações da Sociedade Civil, também conhecidas como ONGs, e as incubadoras universitárias de cooperativas populares e empreendimentos solidários.

A SENAES firma convênios com Entidades de Apoio e Fomento mediante editais de concorrência pública, com objetivos predefinidos, para que elas forneçam apoio aos empreendimentos econômicos solidários e para os seus participantes.  

Principais projetos:

  • Projeto Bordando na Praça é Bão 
    Cronograma: 2019-2022
  • Projeto de Upcycling
    Cronograma: 2019-2022
  • Projeto Moda Goiás
    Cronograma: 2019-2022

                                                                                                                                   

Equipe SUPECS

A Superintendência de Economia Criativa e Solidária é responsável por incentivar e fortalecer estas duas modalidades de economia no Estado de Goiás.

Entre em contato conosco:

André Milhomem Franco
Superintendente de Economia Criativa e Solidária
andre-mf@sed.go.gov.br
Tel.: (62) 3201-5498

Alexandre Lindemberg Vieira Azevedo
Assessor
alexandre-lva@sed.go.gov.br

Beatriz Athayde
Assessora
beatriz-a@sed.go.gov.br

Emerson Silva
Assessor
emerson-s@sed.go.gov.br

Gabriela Rodrigues Lourenço
Assessora
gabriela-rl@sed.go.gov.br

Milena de Souza
Assessora
milena-s@sed.go.gov.br

Solange Amarilla Mendes
Assessora
solange-am@sed.go.gov.br

Wasley Conceição Dantas
Assessor
wasley-cd@sed.go.gov.br